Como desenvolver o time cuidando da saúde mental de cada colaborador


A saúde mental é um tema sério demais para ser tratado como acessório. É hora de colocá-lo no centro da estratégia de atração e retenção de talentos da sua empresa



Por Rosangela Maldonado, Diretora de RH na PinePR


Fazer uma boa gestão de pessoas vai muito além de cuidar de obrigações e processos burocráticos. Para criar uma marca empregadora e se tornar um lugar desejado pelos colaboradores, as empresas precisam dedicar tempo e estratégia a aspectos que não eram sequer mencionados há alguns anos. É o caso das questões relacionadas à saúde mental das equipes.


A saúde mental é de extrema importância para o desempenho dos colaboradores, já que afeta a maneira como pensamos, sentimos e agimos ao enfrentarmos os desafios do dia a dia. É inevitável que nosso estado de saúde mental impacte a performance, a qualidade de nossas entregas, nossa tomada de decisão e até mesmo a maneira como abordamos as rotinas diárias. Quando a saúde mental está equilibrada, o colaborador pode atingir seu nível mais alto de desempenho, com mais criatividade e agilidade na solução de problemas.

Em um nível mais profundo, cuidar da saúde mental das equipes evita problemas mais graves. Depressão e ansiedade são alguns dos grandes males do século 21 – e eles já causam prejuízos da ordem de US$ 1 trilhão em todo o mundo, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). Dessa forma, toda empresa precisa expandir o que entende como benefícios a seus colaboradores e passar a incluir os cuidados psicológicos nesse portfólio.


Como cada empresa pode se posicionar:


1. Discuta o tema abertamente

Saúde mental não é “bobagem”, “frescura” ou “coisa de pessoas fracas”. É uma questão essencial para nossas vidas. O ambiente de trabalho precisa ser um lugar em que cada um de nós pode ser a melhor versão de nós mesmos – e isso não ocorre em alto estresse, baixo nível de reconhecimento ou ignorando os sinais que cada colaborador apresenta.

O primeiro passo para falar de saúde mental é justamente esse: falar. O tema precisa ser discutido abertamente, sem reservas. Todo mundo pode estar sujeito a problemas – do faxineiro ao CEO. E buscar ajuda não é somente normal: é necessário.


2. Ofereça recursos e encoraje os colaboradores

Mas não basta apenas falar sobre saúde mental – é preciso praticar. A área de Recursos Humanos precisa oferecer recursos que ajudem os colaboradores, como ter psicólogos à disposição. Aqui na PinePR, o seguro-saúde dos colaboradores permite que os colaboradores realizem quantas sessões de terapia forem necessárias. Além disso, internamente estimulamos cada profissional a buscar ajuda sempre que considerar necessário. Procurar apoio não é motivo de constrangimento, muito pelo contrário.


Outras práticas precisam fazer parte do dia a dia, como ter horários flexíveis, bloquear a agenda das equipes no intervalo para o almoço, ter um acompanhamento periódico da carga de trabalho de cada um para evitar excessos e criar grupos presenciais ou online para realizar práticas terapêuticas.



3. Entenda que o ser humano não é uma máquina

Nenhum ser humano é uma máquina que pode executar uma atividade infinitamente – ou que possa ser trocada em caso de defeito. Uma visão menos “industrial” e mais empática é cada vez mais importante. A pandemia deixou muito claro para muitos que o modelo de trabalho comum até então já não faz sentido. Trabalhar a ponto de não ter tempo para si mesmo ou para a família? Viver em um eterno desequilíbrio, correndo atrás de dinheiro e realização profissional, já não é visto como projeto de vida pelas gerações mais novas.

Crie oportunidades para que cada colaborador harmonize sua vida como um todo: trabalhe, estude, esteja com a família, se divirta, amplie seu repertório e viva em paz consigo mesmo. Somente assim o time poderá levar para o trabalho sua melhor versão e ser mais produtivo.


4. Mude a cultura corporativa

Empresas com modelos culturais fortemente baseados em pressão e metas continuam existindo, mas é cada vez maior o número de negócios que criam conexões baseadas em propósito e valores. É um nível mais elevado de engajamento das equipes – e as pessoas gostam disso.


Empresas que cuidam do equilíbrio emocional das equipes têm melhor desempenho. Afinal de contas, é preciso descansar para renovar o gás. Colaboradores mais felizes têm mais engajamento e melhor desempenho. E as pessoas querem trabalhar em lugares onde sintam que são valorizadas pelo que elas são – e não somente pelo volume de vendas ou pelas horas que passam no escritório.


Cuidar da saúde mental dos colaboradores aumenta a retenção das equipes e evita ausências. O time trabalha mais unido e satisfeito, em um espírito de conquistar mais – e não de correr atrás de uma meta inalcançável ou para fugir da possibilidade de ser demitido. A saúde mental também tem uma relação direta com o desenvolvimento das equipes, pois pessoas saudáveis conseguem encontrar soluções para os desafios do dia a dia.


Também estamos trilhando esse caminho na PinePR. Em nosso negócio de serviços de comunicação, o bem-estar físico e emocional da equipe tem uma relevância fundamental para a visibilidade de nossos clientes e para o sucesso da empresa. Cuidar da saúde mental dos colaboradores não é um projeto de curto prazo, e sim um caminho a ser percorrido para todo o sempre. E quem demorar para perceber isso vai perder seus melhores profissionais.


 

Rosangela Maldonado é Diretora de Recursos Humanos na PinePR. Com MBA de RH pela FIA e diversas especializações focadas no desenvolvimento de talentos, Rosangela acumula mais de 25 anos de experiência na área de Recursos Humanos em empresas multinacionais e locais nos segmentos de educação executiva, farmacêutico, químico, agribusiness e alimentício. Apaixonada por Employee Experience e Agilidade em RH está à frente da agência para alavancar as estratégias de crescimento e engajamento.